E, percorrendo a região frígio-gálata, tendo sido impedidos pelo Espírito Santo de pregar a palavra na Ásia, defrontando Mísia, tentavam ir para Bitínia, mas o Espírito de Jesus não o permitiu (Atos 16.6-7).

Paulo e seus companheiros caminham, mesmo não sabendo para onde vão. Avançam com todo esforço e com os mais nobres intentos para cumprir o chamado de Deus. Não obstante, topam com uma parede inesperada e inexplicável (verso 6). Caminham, então, em direção oposta para, novamente, encontrar outro obstáculo posto pelo Senhor (verso 7). Faço uma pausa e pergunto: você já vivenciou uma experiência igual? Já se viu diante de situações que, de repente, se complicam? Eles fizeram aqueles setecentos quilômetros de Listra a Trôade, sem poder perceber a mão de Deus abençoando suas vidas e caminho. O relato de Lucas em Atos 16.6-8 não mostra nenhum “êxito”, nenhum fruto visível, nenhuma nova igreja, nenhuma vida transformada pelo evangelho, nenhuma intervenção poderosa de Deus como haviam visto nas semanas anteriores. É bem provável que o ponto mais desconcertante tenha sido o fato de que Deus não lhes dera nenhuma indicação acerca de onde deveriam ir, ou durante quanto tempo deveriam seguir caminhando. Será que, naquela situação, não experimentaram um sentimento de frustração? Após um longo período e no final da prolongada travessia, Deus, através de uma visão, manifestou a Paulo uma direção concreta. Em obediência a essa visão, cruzaram a Macedônia, onde iniciaram o primeiro ministério cristão na Europa (Atos 16.10).

Talvez, você, como cristão, poderia traçar um paralelo das ocorrências do apóstolo com a sua vida nos dias de hoje e, ao mesmo tempo, levantar algumas considerações: Se foi assim com Paulo, não será, de alguma forma, comigo? Tenho passado por momentos de grandes aflições. Por que me sinto tão confuso? O que posso fazer, quando, na minha perspectiva, Deus retirou a Sua mão abençoadora da minha vida? O que fazer quando parece que as bênçãos e a provisão de Deus se transformaram em apenas lembranças do passado? Estas são boas perguntas, mas, por certo, as respostas de Deus são, todavia, melhores.

Ainda que as circunstâncias de Paulo não sejam iguais às nossas, podemos aprender princípios bíblicos aplicáveis a nossos momentos confusos e desconcertantes. Enquanto Lucas registrava uma situação real na vida de Paulo, quando este caminhava de Listra a Trôade, registrava também, de forma implícita, uma travessia espiritual do apóstolo. O caminho para Trôade era uma aventura de fé em meio à escuridão espiritual. Deus não reserva esse tipo de viagem somente para pessoas do nível do apóstolo Paulo. Não! Todos aqueles que desejam seguir a Cristo devem fazer essa caminhada com Ele. Pode haver alguma semelhança entre o caminho que lhe toca a andar e o de algum outro irmão. Todavia, a trilha particular pela qual Deus o conduz é exclusivamente sua, e, anote: haverá caminhos sinuosos, aclives acentuados e pedras que lhe ferem os pés.

Talvez o seu caminho a Trôade, poderá significar:

    • Receber direção em uma área, pela qual você está buscando a vontade de Deus.
    • Receber direção quanto às suas finanças.
    • Receber direção quanto a casamento, família, etc.
  • Receber direção quanto a dificuldades que se mostram como um beco sem saída.
  • Um período de entrega total ao Senhor.

Convido você para um momento de reflexão e oração. Como está a sua vida? Faça um balanço! Adversidades, problemas se amontoando, mais complicações à vista? Se você é um seguidor fiel de Cristo, bem-vindo ao time do apóstolo Paulo.

Em Cristo Jesus,

Pr. Natanael Gonçalves

Continua na próxima publicação…