E, percorrendo a região frígio-gálata, tendo sido impedidos pelo Espírito Santo de pregar a palavra na Ásia, defrontando Mísia, tentavam ir para Bitínia, mas o Espírito de Jesus não o permitiu. E, tendo contornado Mísia, desceram a Trôade (Atos 16:6-8).

Entremos no mundo de Paulo e sua viagem com destino a Trôade, ou melhor, nem tanto com Paulo, mas especialmente com Jesus. Devemos considerar o relato das Escrituras e, então, avaliarmos a nós mesmos com honestidade diante do Senhor. Um ponto de partida fundamental é levar em conta que Paulo estava vivendo em obediência a Deus quando o Altíssimo lhe disse “não” em duas oportunidades (versos 6-7). O apóstolo não estava atuando como “Jonas”, ao contrário, estava caminhando com Deus e não fugindo Dele. Devemos começar nesse mesmo lugar. O primeiro passo, antes de clamar a Deus por “socorro” ou indagar o “porque”, é examinar nossa vida. Você está vivendo em obediência a Deus neste momento? Enquanto estivermos vivendo nesta terra, haverá sempre alguns aspectos de nossas vidas que necessitam ser polidos por Deus. Ao fazer isto, Seu propósito é o de tornar-nos parecidos com Cristo (Romanos 8:28-29). Todavia, há uma clara diferença entre estar no processo de santificação e estar em desobediência direta a Deus. Quanto a isso, a maioria de nós, reconhece facilmente a diferença.

Devemos saber que a obediência a Deus inclui algo que, a miúdo, muitos passam por cima. O aspecto essencial da avaliação da obediência, é verificar se Deus é o centro da nossa vida. A obediência a Deus não consiste apenas em evitar o pecado, mas envolve também a participação ativa do Altíssimo em todas as dimensões do nosso viver. Para alguns, esta abordagem pode ser mais difícil de aceitar do que lidar com algum tipo de pecado. No entanto, é necessário estabelecer essa base antes de continuar o caminho para Trôade. A estrada que está diante de nós, é bastante difícil e não se deve levar bagagem extra que dificulte a caminhada.

O ponto em destaque é que Paulo caminhava por fé. Isto parece infantil, mas quando perdemos a firmeza na marcha, é porque deixamos de confiar em Deus. Paulo continuou sua viagem a Trôade, sem saber para onde ia ou quanto tempo levaria para chegar lá. Se você está esperando que Deus lhe revele o resultado de Seus planos, antes do momento que Ele considera apropriado, você irá se frustrar. Somente depois de transitar por centenas de quilômetros e de chegar à cidade de Trôade, é que o apóstolo soube aonde Deus queria leva-lo (Atos 16.10). Enquanto caminhava para Trôade, Paulo não tinha a menor indicação da parte de Deus. Tampouco a teremos nós, em várias situações. É isto o que a Bíblia chama de “caminhar por fé, não por vista” (2 Coríntios 5.7). Não é fácil, mas a menos que aceitemos caminhar dessa forma, não avançaremos muito. Neste aspecto, como você está? Quer comprovar sua determinação espiritual mediante outra avaliação? Observe: Paulo não deixou de seguir com fidelidade a Deus, nem sequer quando Ele o impediu de ir aonde o apóstolo havia proposto originalmente. Como você reagiria?

A tentação de abandonar a Jesus não é algo novo. João registra no capítulo 6 que uma numerosa multidão seguia a Cristo. O que essa multidão desejava? As pessoas estavam interessadas no Jesus que provia suas necessidades materiais, mas não no Salvador que os convoca a renunciar a tudo, para segui-Lo. No verso 66, João escreve algo que desperta a nossa atenção: À vista disso, muitos dos seus discípulos o abandonaram e já não andavam com ele. No versículo seguinte, Jesus pergunta aos que lhe eram mais chegados: Porventura, quereis também vós outros retirar-vos? É fácil caminhar com Ele quando vemos Suas mãos operando a favor. A despeito de sentirmos ou não Sua presença e bênçãos, o Senhor nos convida a segui-lo de forma contínua e fiel.  Há, no entanto, aqueles que se dizem seguidores de Jesus, mas o abandonam ao avaliarem e decidirem que o caminho é difícil demais de transitar.

Se você deseja continuar sua viagem para Trôade com o Senhor, deve assumir firmemente, que continuará com Ele, não importando o que virá pela frente. Todavia, isto é algo que deve ser decidido antes de começar a viagem. Se você não o fizer, os precipícios e abismos que podem ser encontrados, tanto na subida, quanto na descida, farão você retroceder rapidamente.

A viagem à Trôade é metafórica para cada um de nós, assim como os precipícios, abismos, subidas e descidas. Tudo isso representa a dificuldade, o problema, a aflição, a dor e a barreira que se interpõe à nossa caminhada com Cristo. Você vai retroceder ou avançar?

Em Jesus, o Senhor da glória,

Pr. Natanael Gonçalves