A mente firme (Filipenses 1). A razão pela qual muitos crentes se perturbam diante das circunstâncias se deve ao fato de não cultivarem uma mente firme. No capítulo primeiro, Paulo descreve as situações difíceis que atravessava, mas as enfrenta abertamente. Os momentos difíceis não podiam roubar-lhe o gozo porque ele não vivia para se alegrar neles, antes, ele vivia para servir a Cristo Jesus. O apóstolo é um homem de um só propósito: “uma coisa faço” (3:13). Não era o prisioneiro de Roma, mas o “prisioneiro de Cristo (Efésios 3:1). Não viu Jesus através de suas circunstâncias, mas viu as circunstâncias através de Cristo, e isto, muda tudo. Quando o cristão possui uma mente firme, se interessa pela comunhão do evangelho (1:1-11), pelo progresso do evangelho (1:12-26) e pela fé do evangelho (1:27-30). Paulo se alegrou nos momentos difíceis, porque estes o ajudaram a fortalecer a comunhão com outros irmãos, dando-lhe a oportunidade de levar pessoas a Cristo, e também o capacitou para defender o evangelho diante das cortes de Roma. Quando você possui a mente firme, as circunstâncias operam para o seu bem e não contra você. 

A mente submissa (Filipenses 2). Este capítulo foca as pessoas e o versículo chave nos diz: “Nada façais por partidarismo ou vanglória, mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si mesmo” (v.3). No capítulo 1, Paulo põe a Cristo em primeiro lugar. Neste capítulo, põe as pessoas em segundo lugar. Pela lógica, ele se coloca em último. Geralmente, o motivo que gera em nós uma tremenda irritação, aponta para o fato de não podermos fazer a nossa própria vontade. Se insistirmos no primeiro lugar, os demais empenharão o mesmo resultando no óbvio: “conflitos frequentes”.

Uma mãe e seu pequeno filho entraram no elevador do edifício. O destino deles era o sétimo andar, onde ficava o consultório médico. No segundo piso, entrou um grupo de pessoas e, entre elas, uma mulher obesa. Ao subir, o silêncio foi interrompido pelo grito dessa senhora que, dirigindo-se à mãe do menino lhe disse: “seu filho acaba de morder-me”. A mãe, corada de vergonha, olhou para o filho que, prontamente explicou: “eu a mordi, porque ela pisou no meu pé”.

O que aconteceu no elevador, está acontecendo em todo lugar: as pessoas se mordem umas às outras porque se sentem maltratadas e marginalizadas. Em contrapartida, o cristão que possui a mente submissa, não espera ser servido por outros; ele os serve. Ele também considera o bem-estar de outros como mais importante que seus próprios planos e desejos. No capítulo dois, encontramos quatro exemplos maravilhosos de mente submissa: Jesus (2:1-11); Paulo (2:12-18); Timóteo (2:19-24) e Epafrodito (2:25-30). Cada um desses exemplos comprova o princípio de Lucas 14:11: “Pois todo o que se exalta será humilhado; e o que se humilha será exaltado”. 

Hoje, finalizo por aqui. Todavia, amanhã abordo mais duas atitudes de mente que o cristão deve manter. Não perca! Estimulo você a anotar as passagens bíblicas e tomar um tempo nessas meditações. Sua vida, pela Palavra de Deus, com certeza irá mudar. 

Pr. Natanael Gonçalves