Coerência (Fp 1:27a) 

Findamos a publicação de ontem dizendo que Paulo menciona três elementos essenciais para a vitória na luta para manter a integridade da “fé”.  Hoje abordamos o primeiro deles:  A coerência! 

A maior arma contra o inimigo não é um sermão inspirador nem um livro poderoso, mas sim a vida coerente dos cristãos. O verbo que Paulo usa (viver = politeuomai) é relacionado à política e significa “ter um comportamento condizente com sua condição de cidadão”. Você e eu já tivemos experiências que atestam essa afirmação da Palavra de Deus. Por exemplo, morando fora do Brasil nestes últimos anos, quantas não foram as vezes que presenciamos pessoas que fazem parte da comunidade brasileira agirem de forma errada e vergonhosa? Presenciamos e ouvimos relatos de pessoas que estavam tentando fazer as coisas pelas vias do “jeitinho brasileiro”, ou tomando um empréstimo no banco local e depois foram embora para o Brasil, sem pagar o empréstimo e outras contas que deixaram atrás. Ficamos envergonhados diante das instituições da cidade, contudo, sabemos que essas pessoas não representam, de fato, o que há de melhor nos cidadãos de nosso país.

Paulo dá a entender que nós, cristãos, somos cidadãos do céu e que, enquanto estamos aqui na Terra, devemos nos comportar de maneira condizente com nossa cidadania. O apóstolo volta a tratar desse conceito em Filipenses 3:20. Para o povo de Filipos, essa expressão provavelmente era bastante significativa, pois Filipos era uma colônia romana, e seus cidadãos eram, na realidade, cidadãos de Roma protegidos pela lei romana.

A Igreja de Jesus Cristo é uma colônia do céu na Terra!

Devemos nos comportar como cidadãos do céu. Assim, é preciso nos perguntar, com frequência, se nos comportamos de maneira digna do evangelho. Devemos “[andar] de modo digno da vocação a que [fomos] chamados” (Ef 4:1), e, isso significa “[viver] de modo digno do Senhor, para o seu inteiro agrado” (Cl 1:10). Não cultivamos um bom comportamento a fim de ir para o céu, como se pudéssemos ser salvos pelas boas obras; antes, nosso comportamento deve ser exemplar, porque nosso nome já está escrito no céu, onde temos nossa cidadania. O único evangelho que o mundo conhece é o que vê refletido na vida dos cristãos.

“O evangelho” é a boa-nova de que Cristo morreu por nossos pecados, foi sepultado e ressuscitou (1 Co 15:1-8). Há somente uma “boa nova” da salvação; qualquer outro evangelho é falso (Cl 1:6-10). A mensagem do evangelho é a boa-nova de que os pecadores podem se tornar filhos do Altíssimo por meio da fé em Jesus Cristo, o Filho de Deus (Jo 3:16). Acrescentar qualquer coisa ao evangelho é o mesmo que destituí-lo de seu poder. Não somos salvos de nossos pecados pela fé em Cristo mais alguma coisa; somos salvos somente pela fé em Cristo. 

Alguém perguntou ao pastor da sua igreja: “alguns conhecidos têm uma ideia completamente errada do evangelho. O senhor poderia indicar alguns livros para que eu possa lhes dar?”  O pastor abriu a Bíblia em 2 Coríntios 3:2 – “Vós sois a nossa carta, escrita em nosso coração, conhecida e lida por todos os homens” – e disse:  “Há bons livros no mundo, todavia nem o melhor deles é capaz de substituir seu modo de viver. Permita que essas pessoas vejam Jesus em seu comportamento e você terá oportunidade de compartilhar o evangelho de Cristo com elas”.

A maior arma contra o diabo é uma vida que se comporta de maneira condizente com a Palavra.  Eis o primeiro elemento essencial para a vitória nesta batalha. Continua amanhã… 

Em Cristo Jesus, 

Pr. Natanael Gonçalves