Ele se sacrifica (Fp 2:8) 

Muitas pessoas estão dispostas a servir aos outros desde que isso não lhes custe coisa alguma. Mas se precisarem pagar algum preço, perdem o interesse no mesmo instante. Jesus tornou-se “obediente até à morte e morte de cruz” (Fp 2:8). Não morreu como um mártir, mas sim como Salvador. Entregou a vida voluntariamente pelos pecados do mundo.

Nas palavras de J. H. Jowett: “O ministério que não custa coisa alguma não realiza coisa alguma”. A fim de haver bênção, também é preciso haver sacrifício. Um missionário estava em uma festa religiosa no Brasil andando no meio das barraquinhas e observando o que cada uma oferecia. No alto de uma delas, viu um cartaz que dizia: “cruzes em promoção”e pensou consigo mesmo: “É exatamente isso o que muitos cristãos procuram hoje em dia: cruzes que não lhes custem quase nada. A cruz de meu Senhor custou caro. Por que minha cruz deveria ser diferente?” Quem tem uma atitude de submissão não evita sacrifícios; vive para a glória de Deus e para o bem dos outros; se há um preço para honrar a Cristo e ajudar o semelhante, está disposto a pagá-lo. Essa foi a atitude de Paulo (Fp 2:1 7), Timóteo (Fp 2:20) e também Epafrodito (Fp 2:30). A fim de ser uma expressão verdadeira do ministério cristão, o serviço precisa ser acompanhado de sacrifício.

O teste da mente submissa não se refere apenas ao que estamos dispostos a suportar em termos de sofrimento, mas também ao que estamos dispostos a oferecer em termos de sacrifício. Um dos paradoxos da vida cristã é que, quanto mais damos, mais recebemos; quanto mais sacrificamos, mais Deus abençoa. A submissão produz alegria, pois ela nos torna mais semelhantes a Cristo. Isso significa que participamos de sua alegria ao participar também de seu sofrimento. É evidente que, quando a verdadeira motivação é o amor (Fp 2:1), o sacrifício nunca é medido nem mencionado. A pessoa que constantemente fala dos sacrifícios que faz não possui a mente submissa. 

Para refletir: Ser cristão lhe custa alguma coisa? Avalie a sua vida cristã. 

Pr. Natanael Gonçalves