Para entender melhor o tema central de Filipenses, primeiro é necessário descobrir quais são os ladrões que nos roubam o gozo, e de pronto, determinar as classes de atitudes que devemos ter, a fim de subjugar e derrotar a esses ladrões. 

Os ladrões que roubam o gozo: 

As circunstâncias. A maioria de nós se diz muito mais feliz quando as coisas vão  de vento em popa e, por consequência,  nosso comportamento torna-se mais agradável àqueles que convivem conosco. Por outro lado, sabemos que, dificilmente temos controle sobre as circunstâncias da vida. Não temos domínio sobre o tempo, sobre o tráfego ou sobre as coisas que outras pessoas dizem ou fazem.  O indivíduo cuja felicidade depende das circunstâncias ideais, estará infeliz em grande parte do tempo. Alguém disse: “Os homens são a chacota das circunstâncias.” No entanto, o apóstolo Paulo, nas piores circunstâncias, escreve uma carta saturada de alegria! 

As pessoas. Todos nós experimentamos aqui e ali a perda de alegria por causa de pessoas. Como? Sim, pelo que são, pelo que dizem e pelo que fazem. Nós mesmos, sem dúvida, temos contribuído  para fazer alguém infeliz. Contudo, não podemos viver isolados. Temos que viver e trabalhar com o povo. Somos a luz do mundo e o sal da terra. Às vezes, porém, a luz se desvanece e o sal se faz amargo por causa de pessoas. A pergunta é: Existe algum modo de ter gozo a despeito das pessoas que nos cercam? 

As coisas materiais. Jesus disse: “A vida de um homem não consiste na abundância de bens que ele possui” (Lucas 12:15). De fato, no sermão da montanha o Senhor replicou que os tesouros terrenos não duram, não estão a salvo e nunca satisfazem. Contudo, ainda assim, a maioria das pessoas hoje em dia, pensa que o gozo vem das coisas que possuem. Na realidade, as coisas materiais podem roubar-nos a única classe de alegria que realmente perdura. 

A preocupação. Este é o pior ladrão de todos. Quanta gente não tem paz  e satisfação por causa da preocupação. Este mal produz consequências, inclusive físicas, e, mesmo que a medicina possa curar os sintomas, não pode, contudo, eliminar a causa. A preocupação faz a sua obra internamente. Você pode comprar pílulas para dormir, mas não pode comprar descanso. Paulo tinha tudo para viver preocupado. Sua situação era muito complicada. Todavia, não se preocupou, antes escreveu uma carta cheia de gozo ensinando-nos como deixar de preocupar-nos. 

Finalizando, estes são os quatros ladrões que nos roubam a alegria: as circunstâncias, as pessoas, as coisas materiais e a preocupação. Como podemos subjugar esses ladrões para que não nos roubem o regozijo? A resposta veremos nos quatro capítulos de Filipenses, quando Paulo descreve quatro atitudes mentais que produzirão alegria a despeito desses ladrões que citamos acima. Continuamos amanhã, se Deus quiser.

Que o Senhor nos dê entendimento, 

Pr. Natanael Gonçalves