O Purgatório e a Bíblia. 

No post de hoje iniciamos um teste para ver se esse ensino suporta um confronto com a Bíblia, que é a Palavra de Deus. Antes, porém, registro aqui o meu amor e compaixão por pessoas que creem firmemente nessa doutrina, pois ela dá o que não possui e trabalha no sentido de impedir que as mesmas conheçam a verdade. Anteriormente eu disse que o purgatório é uma “atração fatal”, pois sinaliza com uma segunda chance após a morte, coisa que não existe. O purgatório, à luz  do catolicismo,  é como submeter as crianças às chicotadas antes de permitir que abram seus presentes de natal. 

Para estabelecermos uma linha reta de entendimento, observo que as Escrituras nos dizem que a salvação é um presente de Deus para o homem. O homem não faz absolutamente nada para merece-la, é um dom de Deus. A única exigência para tal, é o exercício da vontade para receber esse presente. A Bíblia nos diz em Efésios 2: 8-9 “Pela graça sois salvos, por meio da fé e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie”. 

Ao caminhar nesse terreno, faço a seguinte pergunta: “Todos os seres humanos são filhos de Deus?” Você pode se espantar com a resposta. Afirmamos, pela Palavra de Deus, que todos são criaturas de Deus, mas nem todos são filhos. Quem são classificados como filhos, então?  Em João 1:12, temos a solução: “Mas a todos que O receberam (Jesus, único suficiente Salvador), deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, os que creem no Seu nome”. 

O primeiro texto fala que a salvação é um presente de Deus. O segundo, nos diz que nos tornamos filhos de Deus quando recebemos a Jesus como  presente de Deus para nós. Isto traduz segurança e confiança ao deixar este mundo. Paulo, pelo Espírito Santo, afirma que partir daqui e estar com Cristo (imediatamente) é incomparavelmente melhor (Fl 1:23). Veja, ele não alude em nenhum momento, ao purgatório. Ele diz que vai estar com Cristo imediatamente. 

Outro texto que menciono, é o de Lucas 23.42–43 “E disse a Jesus: Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu Reino. E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso. 

Essa referência nos mostra um ladrão, e até mesmo assassino, arrependido e confessando a Jesus nos últimos instantes de sua vida. A promessa de Jesus para ele foi: “hoje mesmo tu estarás comigo no Paraíso”.  Que coisa tremenda! Poderia falar muito sobre isso, mas falta-me espaço. Gostaria que você pensasse a respeito desse ocorrido há dois mil anos atrás. Aquele ladrão foi “perdoado” e partiu para estar com Cristo naquele mesmo dia. Não passou por algum lugar para pagar pelos seus erros e crimes. Ali, naquela cruz, havia alguém que podia perdoar os pecados e do ponto de vista de Deus, apaga-los completamente pelo sangue derramado. Glória a Deus! 

O pecado tem um custo. Quando os pecados são perdoados, são lançados sobre Jesus naquela cruz. Quando não, caem sobre o pecador. Tudo o que Jesus fez foi perfeito, por isso Ele disse na cruz: “Está consumado!” 

Se você foi perdoado por Cristo, lavado no sangue do Cordeiro e justificado por Jesus, não tenha medo.  Ao fechar os olhos neste mundo, você os abrirá imediatamente na presença de Cristo Jesus. Não existe purgatório! Isso é doutrina de homens! Continuamos no próximo post… 

N‘Ele que já fez tudo por aqueles que O receberam, 

Pr. Natanael Goncalves