O QUE É MALDIÇÃO?

Para um entendimento mais amplo da palavra “maldição”, objeto do nosso estudo, voltamos à Palavra de Deus e examinemos o termo em suas diversas formas em que o mesmo aparece:

Existem quatro palavras hebraicas que, geralmente, são traduzidas como maldição. São elas:  ‘arar (gr. Kataraomai), ‘alâ (gr. Epikataratos), qälal (gr. Kataraomai) e qäbab.

‘arar 

A palavra hebraica ‘arar é um verbo que tem como raiz ‘-r-r. Citando Brichto, o Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento diz que ‘arar vem da palavra acadiana aräru que tem o sentido de “capturar, prender”. Segundo o Dicionário, ‘arar significa, portanto, “prender (por encantamento), cercar com obstáculos, deixar sem forças para resistir”. O sentido é de banimento ou estado de inexistência de Bênçãos. Segundo o Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento, quando a palavra ‘arar é usada, ela está envolvendo três categorias gerais: (1) Declaração de punição ( Gn 3:14,17); (2) proferir de ameaças ( Jr 11:3; 17:5; Ml 1:14); (3) proclamação de leis ( Dt 27:15-26; 28:16-19). Assim sendo, todas estas categorias envolvem a conseqüência da quebra do relacionamento de alguém com Deus, i. é, o estado a que se chegou por ter quebrado a aliança, um estado de separação, de banimento.

‘älâ 

Esta palavra é usada 35 vezes no Antigo Testamento.  É um substantivo usado para expressar o juramento solene entre os homens (Gn 24:41; 26:28) e entre Deus e os homens ( Nm 5:21 e ss; Jz 17:2; 1 Rs 8:31). A palavra derivada ta’älâ tem o sentido de “punição para um juramento quebrado”. Ela ocorre somente uma vez no Antigo Testamento, em Lm 3:65: “Tu lhe darás cegueira de coração, a tua maldição imporás sobre eles”.

Qälal 

Esta palavra é usada 42 vezes no Antigo Testamento. Significa “ser sem importância, insignificante, coisa pouco valorizada”.   A raiz desta palavra, q-l-l,  ocorre 130 vezes e exprime a idéia de desejar a outra pessoa uma posição inferior. Em Ne 13:25, vê-se Neemias pronunciando uma qälal, isto é, uma fórmula de maldição.

Qelälä é o substantivo derivado de qälal.. A ênfase dada neste substantivo exprime a idéia de ausência de um estado abençoado e o rebaixamento a um estado inferior. Ou seja, a fórmula de maldição seria a expressão do estado de maldição. É a idéia (pensamento) da posição de insignificância. Esta palavra representa o estado descrito e possível ( Dt 11:26; 30:19), enquanto que ‘arar é o próprio estado a que se chegou.

Qäbab 

Uma outra palavra traduzida como maldição é qäbab. Esta palavra ocorre 15 vezes no Velho Testamento. Ela exprime a idéia de pronunciar uma fórmula com o propósito de trazer malefícios ao seu alvo. A ênfase desta palavra é o poder inerente às palavras para provocarem o mal desejado. Ela aparece, principalmente, nas narrativas de Balaão e Balaque ( Nm 23:8). Isso se dá, talvez, porque Balaque cria na possibilidade da magia (fórmulas que prejudicavam ao objeto) e por querer utilizar-se desta magia.

Após verificarmos as diversas formas que encontramos para o termo na sua origem, entendo que deveríamos, num trabalho mais completo, buscar a sua aplicabilidade dentro de cada contexto encontrado. Entretanto, minha proposta é simplificar o sentido, e assim sendo, podemos encontrar uma definição simples no Dicionário VINE que diz a respeito:

“É UM PRONUNCIAMENTO DE JULGAMENTO SOBRE AQUELES QUE QUEBRAM O CONCERTO”, COMO: “Maldito o homem” ou “Maldito aquele” (doze vezes em Dt 27.15-26).

Poderíamos emendar dizendo: “Maldição é uma sentença derivada de um julgamento pré-estabelecido oriundo de um concerto”. Desta forma, Gênesis 2.16 e 17 é um aviso de uma sentença já anunciada, ou seja, pré-estabelecida, pois o “Juiz de toda a terra” advertiu o homem sobre a desobediência e, de antemão, o fez saber. Entretanto, é preciso salientar que a maldição é uma sentença no sentido forense, que atingiu a toda a humanidade. Poderíamos chamar isso de  “efeitos colaterais do pecado”.

Continua no tópico seguinte…