A Prosperidade e o Evangelho

Tenho escrito aqui sobre doutrinas e ensinos que entendemos ser contrários à Palavra de Deus, e que são praticados e defendidos por seitas e igrejas, até mesmo por aquelas que se dizem cristãs, mas que não pertencem ao seguimento evangélico. Hoje, porém, quero trazer uma palavra sobre algo que penetrou em nossas igrejas e que tem produzido um verdadeiro estrago. Falo da doutrina da prosperidade. Vamos fazer uma pequena introdução ao assunto e, ao longo dessa semana, iremos postando sobre essa teologia praticada em solo brasileiro, mas que também tem se alastrado por diversos continentes, inclusive aqui na Inglaterra, onde servimos a Cristo.

Antes de mais nada, quero dizer que muitos são envolvidos por esse ensino atraente, porque ele traz no seu bojo doses que encantam. Ele vem travestido de verdade, escondendo, porém, o erro e o engano. Quando digo que ele vem camuflado com a verdade, é porque as Escrituras registram promessas aos filhos do Altíssimo sobre a prosperidade, o que, certamente, comentaremos. Muitos pensam que prosperidade é riqueza material. Ledo engano! Prosperidade é muito mais que isso. Prosperidade abrange a vida como um todo, mas é preciso entender que muitos podem ser prósperos sem serem ricos. Os homens ímpios que são ricos vivem de aparência. Com o seu dinheiro podem comprar uma casa, mas não um lar, podem comprar uma cama, mas não o sono, livros, mas não inteligência, remédios, mas não a saúde, religião, mas não a salvação. Li uma frase que sintetiza tudo isso: “O homem mais pobre com Jesus é rico, e o homem mais rico sem ele é pobre” (Sl 37:16). É possível que o irmãos Antônio e Pedro morem numa favela e sejam prósperos. Alguns têm o seu carrinho velho, aquela Brasília amarela que os leva a todos os cultos e trabalhos da igreja. Outros não possuem carro, nem mesmo um velhinho, mas vão contentes à sua igreja, porque o Senhor em sua Palavra tem prometido cuidar dos seus filhos (1 Pedro 5.7).

Desta forma, entendo que prosperidade é também termos todas as nossas necessidades satisfeitas. É bem verdade que muitos acham que precisam de algo, que na realidade não necessitam. Se realmente necessitarem de alguma coisa, a promessa da Palavra do Senhor está em pé (Mt 6.33). Quanto às riquezas, mesmo vindo de Deus, não são para todos (Mt 26.11). É preciso analisar vários fatores que cercam a vida de uma pessoa, desde cultura até oportunidades. No entanto, para terminar o post de hoje deixo uma pergunta:

A prosperidade é um desejo de Deus para os seus filhos?

Na próxima postagem estaremos respondendo e comentando a pergunta.

Deus abençoe a todos ricamente.

Pr. Natanael Goncalves