Obediência e descanso.

No texto de hoje, uma questão parece emergir do ensino da prosperidade: se essa doutrina é enganosa, por que tanta gente anda por ela? Há, pelo menos, duas respostas de base. A primeira já abordei aqui em posts anteriores. Trata-se do estímulo do ter casado com a necessidade de muitos e somado à ganância de vários. A segunda, faz-se necessário dizer, é que o ensino carrega em si mesmo uma dose de verdade. Por que afirmo isso? Porque as Escrituras Sagradas dizem que a nossa obediência e fidelidade produz bênçãos. Temos um bom número de versículos bíblicos que afirmam as promessas de Deus na área financeira. Tomemos apenas alguns:

Provérbios 3:9-10  ”Honra ao SENHOR com a tua fazenda e com as primícias de toda a tua renda; e se encherão os teus celeiros abundantemente, e trasbordarão de mosto os teus lagares”.

Malaquias 3:10  ”Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar sobre vós uma bênção tal, que dela vos advenha a maior abastança”.

Lucas 6:38  ”Dai, e ser-vos- á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando vos dar ão; porque com a mesma medida com que medirdes também vos medirão de novo”.

Poderia dispor de mais textos, mas não há espaço para comenta-los, apenas proponho uma rápida visão e distinção. Os dois primeiros são textos do Velho Testamento, enquanto o ultimo pertence ao Novo. Em todos eles o princípio do retorno está presente, no entanto cabe uma ressalva: no Antigo Testamento, as bênçãos de Deus se destacavam na área material enquanto que no Novo, os destaques são para as bênçãos espirituais. Veja que Paulo afirma que fomos abençoados com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo Jesus (Ef 1:3). E isto significa muito mais do que as bênçãos materiais. Não significa, porém, que Deus não nos abençoa financeiramente, apenas o valor espiritual é muito maior.

Um dos erros destacados no evangelho da prosperidade é a proposta da troca. Você dá dez para receber cem, dá cem, para receber mil, e por aí vai. As pessoas são levadas por esse caminho e se esquecem que essa não é a motivação de um coração rendido a Cristo. Novamente Paulo nos diz que se ele desse toda a sua fortuna e o fizesse sem amor, nada lhe aproveitaria (1 Co 13:3). Também somos informados que Deus ama ao que dá com alegria (2 Co 9:7). Dentro em breve, publicaremos em vídeo um estudo sobre o dizimo – sua razão, função e propósito. Ali vamos analisar com mais propriedade o assunto de dinheiro e suas implicações no Reino, bem como as promessas de Deus.

Finalizando, desejo dizer que as promessas do cuidado de Deus para as nossas vidas são reais e verdadeiras. No entanto, é preciso salientar que tenho uma parte para fazer, ou melhor, duas: obedecer e descansar!

Hebreus 13:5  “Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes; porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei”.

1 Pedro 5:7  ”Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós“.

Mateus 6:33   “Mas buscai primeiro o Reino de Deus, e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas“.

N’Ele, em quem há descanso e coração pacificado com relação às coisas desta vida,

Pr. Natanael Goncalves