Meus irmãos, não vos torneis, muitos de vós, mestres, sabendo que havemos de receber maior juízo (Tiago 3:1).

Pondo os olhos no versículo acima, vemos que Tiago começa com um apelativo “Meus irmãos”. Ora, com essa introdução ele desperta a atenção de seus leitores para algo que vai ensinar. Ele continua: “não vos torneis, muitos de vós, mestres”. Antes de prosseguir, é bom esclarecer o que o autor queria dizer com o termo mestres.  Segundo W. Barclay, os mestres possuíam uma grande importância na igreja primitiva, pois, sempre que eram mencionados, se sobressaíam dos demais com elevada honra. Os apóstolos e profetas possuíam um ministério itinerante, enquanto que os mestres permaneciam na congregação ensinando e instruindo o povo. Assim sendo, Tiago está convencido que, quem ocupa tal função, está envolvido numa atividade perigosa, visto que seu instrumento é a palavra e seu agente, a língua.

A partir desta convicção, podemos pensar que o autor procura despertar a atenção daqueles que desejavam ser mestres espirituais enfatizando: não vos torneis, muitos de vós, mestres, sabendo que havemos de receber maior juízo. Talvez essas pessoas fossem atraídas pelo prestígio da cadeira, mas não se davam conta da responsabilidade que a função exigia. Os que ensinam a Palavra, estão comprometidos com um juízo mais severo, posto que estão ensinando a verdade de Deus. Quando alguém ensina as Escrituras, ele está afirmando: “assim diz o Senhor”.

Tiago se preocupa com o assunto e o registra em sua carta com o propósito de estimular as pessoas a refletirem na seriedade de tal ofício. O autor sabe que, quem usa a língua para ensinar, facilmente pode escorregar e cometer pecados. O mestre deve zelar pelo ensino da Palavra, mas, sobretudo, deve praticar o que ensina, pois de outro modo, ele percorre a trilha da hipocrisia e o ensinamento fica sem valor.

A pergunta que fazemos quando meditamos no versículo acima é: quantas pessoas, nos dias de hoje, estão ensinando a Palavra de Deus nas igrejas ou até mesmo em grupos familiares, sem estarem devidamente preparadas para isso? Quantos estragos não estão sendo produzidos por essas pessoas, ainda que movidas por uma boa intenção? Quando me refiro ao preparo, não faço alusão a uma universidade teológica, o que seria bom, mas a um fundamento básico e estruturado da doutrina bíblica cristã.

Finalizando, somente observo que Tiago inicia o capítulo começando por aqueles que desejavam ser mestres, para, a seguir, construir o tema da língua. Nas próximas publicações, tratarei do assunto.

Momento de Reflexão: Todo cristão deve crescer no conhecimento de Deus (Oséias 6.3). Não obstante, para que isto aconteça, tem que haver disciplina na leitura e no estudo da Bíblia, acompanhados com a oração. Se alguém deseja ensinar a outros, pense no encargo dessa atividade e prepare-se. No entanto, quem o faz com zelo, dedicação e temor a Deus, experimenta uma grande alegria.

Naquele que nos disse para irmos e fazermos discípulos,

Pr. Natanael Gonçalves