Antes, dá maior graça. Portanto, diz: Deus resiste aos soberbos, dá, porém, graça aos humildes (Tiago 4:6).

Diante das circunstâncias pecaminosas do coração humano, se manifesta a ajuda da graça divina. A paciência do Pai é uma expressão da sua graça diante do pecado de seu povo, haja vista que Ele não assume, imediatamente, a cadeira de Juiz. Pelo contrário, antes de tudo, Ele concede a sua misericórdia (Lamentações 3:22). Esta forma de agir de Deus é demonstrada no ensino do apóstolo Paulo, quando o vemos afirmar que: “…onde abundou o pecado, superabundou a graça” (Romanos 5:20). De acordo com Paulo, onde o pecado se mostrou sobremodo excessivo, a graça divina o superou com vistas à salvação do pecador. A dimensão do nosso pecado, nunca será maior do que a graça de Deus.

A graça também assiste o cristão para ajuda-lo na vida de santificação, operando nele tanto o querer como o poder para realizar (Filipenses 2:13). Nessa assistência divina, os cristãos são capazes de amar desinteressadamente a seus irmãos, e, em geral, a todas as pessoas. Ela também nos capacita para servir, sem o desejo de alcançar altas posições. Quem está amarrado à graça divina, recebe capacitação para aborrecer o pecado, depender tão somente de Deus, viver em santidade e, consequentemente, em uma união vital com Cristo (Gálatas 2:20; Filipenses 1:21).   

Como já vimos anteriormente, a situação interna da igreja, a quem Tiago enviou a sua carta, gerava frustração entre eles. Aqueles cristãos estavam não apenas sofrendo a oposição do mundo, mas também padecendo os seus próprios problemas individuais. Provavelmente, por esta razão, Tiago fala de provas no início de sua carta (Tiago 1:2). Muitas vezes, as provas levam os cristãos a perguntas que não possuem respostas, por isso geram, em muitos momentos, aflições, tristezas e lágrimas. Em meio às situações mais difíceis, a graça de Deus se manifesta em ajuda a quem é afligido, fazendo-lhe sentir que, mesmo sob essas circunstâncias complicadas, está rodeado do amor de Deus, porque “nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor! ” (Romanos 8:39). Ainda que o cristão esteja dentro de um grande conflito ou no olho do furacão da angústia, a presença de Deus é uma realidade que se faz sentir através da Sua infinita graça. A promessa é firme e o compromisso divino seguro, tal como registrado está: Ele me invocará, e eu lhe responderei; na sua angústia eu estarei com ele (Salmo 91:15).  O cristão nunca está só, nem mesmo nos momentos mais aflitivos da prova. Quando os inimigos o cercam e as preocupações aparecem, a mesa da comunhão já está posta, bem como a provisão de Deus para a situação (Salmo 23:5). Nas perguntas sem respostas, também a graça de Deus socorre o cristão para mantê-lo firme na fé. Deus mesmo disse:  Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos, os meus caminhos, diz o Senhor. Porque, assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos, mais altos do que os vossos pensamentos (Isaías 55:8-9). Nunca haverá respostas a muitas perguntas, porque simplesmente não podemos alcançar a dimensão dos pensamentos de Deus. Não obstante, nenhuma circunstância escapa das mãos do Deus de toda graça. Por esta razão, as palavras do versículo de Tiago se convertem em promessa e alento para cada um de nós, em qualquer cenário da vida: Antes, dá maior graça. 

Momento de Reflexão: Não sei se você passa por algum tipo de tempestade ou aflição, mas é muito bom ouvir sobre a graça de Deus. Saiba, com certeza, que o Pai já deu maior graça ao filho que atravessa situações inexplicáveis. Portanto, pela fé, se alegre!

Em Cristo Jesus,

Pr. Natanael Gonçalves