Porque, se no vosso ajuntamento entrar algum homem com anel de ouro no dedo, com vestes preciosas, e entrar também algum pobre com sórdida vestimenta, e atentardes para o que traz a veste preciosa e lhe disserdes: Assenta-te tu aqui, num lugar de honra, e disserdes ao pobre: Tu, fica aí em pé ou assenta-te abaixo do meu estrado, porventura não fizestes distinção dentro de vós mesmos e não vos fizestes juízes de maus pensamentos? (Tiago 2:2-4).

Na Palavra de Deus encontramos vários textos contra a discriminação ou acepção de pessoas. O tema, nesta seção, versa sobre o pobre e o rico. Para uma melhor compreensão do que o autor trata nos versículos acima, destaco de forma bem simples, o seu significado: agir com parcialidade em favor de alguém, porque ele é rico, influente ou popular. A Bíblia o condena insistentemente. Deus não faz acepção de pessoas (Deuteronômio 10:17; 16:19; 2 Crônicas 19:7; Atos 10:34; Romanos 2:11; 1 Pedro 1:17), e os judeus tiveram que admitir que Jesus também não fazia acepção de pessoas (Mateus 22:16; Marcos 12:14; Lucas 20:21).

Para ensinar seus leitores, Tiago imagina dois homens entrando no ajuntamento (igreja) deles. Um, rico, bem-vestido, com trajes elegantes, anel de ouro no dedo. Outro, porém, pobre, maltrapilho, provavelmente malcheiroso e com cabelos sujos. Ao rico, dão um lugar especial, um lugar de honra; enquanto que, ao pobre, lhes dizem para ficar em pé ou que se ponha de cócoras, lá trás.

Tiago lhes chama a atenção, pois, no coração dos irmãos e na igreja, não deveria haver lugar para discriminação. A igreja deve ser o lugar onde todas as diferenças desaparecem. Não pode haver diferença de posição ou de prestígio, quando as pessoas se reúnem na presença do Rei da glória. Não existem diferenças de méritos quando as pessoas se reúnem diante do Senhor do universo. Em Sua presença, toda diferença terrena é menos que pó, e toda dignidade humana, como trapos de imundícia (Isaías 64:6). Na presença de Deus, a humanidade é uma só.

No versículo 4, o termo “fizestes distinção”, provoca certa discussão. Alguns estudiosos dizem que a frase pode significar: “Se tratas com mais honra aos ricos, estás vacilando entre a escala de valores do mundo e a de Deus, e não podes estar convicto de qual aplicar”. Não obstante, William Barclay, faz uma outra opção: “És culpado por fazer diferença de classe, a qual não deve existir na comunidade cristã”. É preferível a segunda, porque Tiago emenda a seguir, dizendo: Se agis assim, sois juízes de maus pensamentos. Ao cometerem este ato, eles estão quebrando o mandamento d’Aquele que disse: Não julgueis, para que não sejais julgados” (Mateus 7:1).

Momento de Reflexão: Muitos condenam essa prática dentro da igreja, mas quantos não trazem, dentro de seus corações, o fazer acepção de pessoas. Alguém pode dizer: de forma alguma tenho isto em meu coração! No entanto, a pergunta é: ao testemunhar o evangelho, você abraçaria um mendigo sujo, maltrapilho e malcheiroso? Você o vê, como aquele por quem Jesus derramou o seu sangue? Responda essa pergunta diante do seu espelho.

No amor de Cristo Jesus,

Pr. Natanael Gonçalves