Está alguém entre vós aflito? Ore. Está alguém contente? Cante louvores (Tiago 5:13).

Parece que entre aqueles a quem Tiago dirigiu a sua carta, alguns estavam experimentando sofrimento e aflições. Pelo verso nove do mesmo capítulo, percebemos que algumas pessoas que estavam passando por adversidades, respondiam de forma incorreta, queixando-se ou falando mal de quem as oprimiam. Ao cristão é ordenado a regozijar-se no Senhor continuamente (Filipenses 4.4; 1 Tessalonicenses 5:16), no entanto, em momentos de profunda aflição e tristeza, um estado de angústia pode aparecer. Qual é a saída ou o remédio para tal situação? Oração! Esta é a mesma recomendação do apóstolo Pedro: “Por isso, também os que sofrem segundo a vontade de Deus encomendem a sua alma ao fiel Criador, na prática do bem” (1 Pedro4:19). O imperativo “ore” expressa a ideia de continuidade, ou seja, não deixe de orar. O cristão é chamado a orar continuamente (Efésios 6:18; Colossenses 4:2; 1 Tessalonicenses 5:17), posto que a oração o conecta com Pai, de Quem provém toda boa dádiva e todo dom perfeito (Tiago 1:17). Jesus é o exemplo supremo nesta exortação. Sim, no momento de grande agonia no Getsêmani, Ele orava mais intensamente (Lucas 22:44). O crente em Cristo, em momentos de dificuldades, deve também recorrer à oração, depositando suas aflições em Deus e esperando de Seu trono de graça o socorro oportuno (Hebreus 4:16).

Outros, no entanto, não estão passando por aflições, antes, desfrutam de bons momentos. Nessas ocasiões, o cristão, sem deixar de orar, é convidado a expressar seu regozijo com cânticos de gratidão e louvor. Existem dois estados emocionais diferentes que são contemplados no texto acima: o da aflição e o da alegria. Se para o primeiro a oração é ordenada, para o segundo se estabelece o cântico de louvor.  A alegria na vida do cristão é resultado da obra do Espírito Santo em seu coração, e assim sendo, ele pode estar cercado de angústia e ainda assim experimentar a alegria de Deus, nele. Tiago se refere à alegria como uma sensação íntima de felicidade, o que, para o cristão, significa estar trafegando pela avenida das bênçãos de Deus. Na alegria, o crente em Cristo não deve se esquecer do louvor. Naqueles dias se cantava salmos de louvor ao Senhor, por isso os linguistas afirmam que a forma verbal significa, literalmente, “salmodie”. Em outras palavras, cante salmos e que os instrumentos acompanhem o cântico. Não se deve esquecer que quando o Novo Testamento fala de cantar salmos, está se referindo ao cântico de algum salmo bíblico. Os salmos, especialmente os que estavam destinados ao cântico no santuário, tinham expressões de ritmo para cantar, da música e dos instrumentos que os acompanhavam. Os salmos expressam alegria, louvor à glória de Deus, honra e gratidão ao Senhor (veja por exemplo: Salmo 33:2-3; 81:1-2; 98:4-6; 144:9; 149:1-5: 150). Por fim, o cântico é um mandamento estabelecido para a igreja no Novo Testamento: “Falando entre vós com salmos, entoando e louvando de coração ao Senhor com hinos e cânticos espirituais, dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo” (Efésios 5:19-20).

Momento de Reflexão: Todos nós passamos por momentos de aflição. Precisamos entender, no entanto, que elas são necessárias dentro do contexto do crescimento. Mas, independentemente dos momentos de aflição, precisamos ter vida de oração. Por outro lado, a vida cristã deve ser traduzida em todo o tempo com expressões de louvor e gratidão. Você é um cristão de oração? O louvor e a gratidão estão continuamente em seu coração e lábios?

Naquele que é digno de receber todo louvor e adoração,

Pr. Natanael Gonçalves