Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus (Tiago 4:4).

Uma forte exortação e uma enérgica advertência expressam o tom que Tiago usou com aquelas pessoas que faziam parte da igreja dispersa (Tiago 1:1). Será que o os termos adúlteros e adúlteras deveriam ser entendidos literalmente, ou deveriam ser considerados metafóricos? Em razão do contexto, a resposta não pode ser outra, a não ser aquela que se encaixa no sentido espiritual. O uso literal somente seria apropriado se houvesse um parágrafo sobre a moralidade cristã, o que, neste caso, não ocorre.

Ao estudarmos a epístola, devemos considerar que os leitores de Tiago eram majoritariamente judeus e que sabiam, claramente, o que o autor estava dizendo. No Antigo Testamento, Deus, por meio dos profetas, chamou Israel de adúltera porque, deixando o Esposo celestial, se uniu em uma relação de adultério com “deuses” de outros povos (Isaías 1:21; Jeremias 3:6-10; Ezequiel 23:36-37). O Novo Testamento utiliza a mesma figura de relação de Esposo e esposa, isto é, entre Cristo e a igreja (2 Coríntios 11:2; Efésios 5:22-32; Apocalipse 19:6-9). Assim sendo, o cristão que abandona o compromisso com Cristo para seguir as baixas paixões deste mundo, está quebrando o pacto de fidelidade e, num sentido figurado, cometendo um ato de adultério ao vincular-se com outro. Portanto, quem é infiel cabe-lhe a pecha de adúltero ou adúltera. Utilizando outra vez uma pergunta retórica negativa que exige uma resposta afirmativa do leitor, Tiago os confronta com a situação espiritual que estava se manifestando na igreja. Por isso, ao iniciar o versículo quatro, ele os chama de adúlteros e adulteras, afirmando, com isto, que estavam em íntima amizade com o mundo. Além disso, essa relação ilícita de amizade, chega a ser chocante, posto que o mundo é inimigo do Esposo. Deus é um Deus zeloso e não tolera essa intimidade de seus filhos com o mundo (Êxodo 20:5; Deuteronômio 5:9).

Por que Deus trata o mundo como inimigo? Bem, precisamos antes entender o significado do termo kosmos, no original. O sentido aponta para um sistema espiritual organizado em oposição a Deus. O mundo, como ordem espiritual oposta ao Pai, está sob o juízo do Altíssimo (Romanos 3:6), e tem o seu próprio sistema de sabedoria construído pelo pecado que o domina. Este sistema, segundo as Escrituras, é néscio e louco porque se insurge contra Deus (1 Coríntios 3:19).

Ademais, as consequências são evidentes (Tiago 3:13-15), haja vista que o sistema moral desta ordem estabelecida, é um sistema corrupto. Essa moral a que me refiro, permite e incita práticas contrárias à santidade que Deus demanda de seus filhos. Em adição, o mundo obedece a Satanás, segue as suas regras (Efésios 2:2-3), é cego espiritualmente, não reconhece a Deus (João 1:10) e se posiciona abertamente contra Ele (João 7:7; 15:18). Para terminar, este sistema é governado pelo diabo e Jesus reconheceu isto ao afirmar, em três ocasiões, que Satanás é o “príncipe deste mundo” (João 12:31; 14:30; 16:11).

Momento de Reflexão: Muitos cristãos nos dias de hoje, se parecem com o mundo e adotam posturas mundanas. Frases como: o que que tem? Ou, os tempos são outros…, são usadas como justificativas. Para o cristão, essa amizade com o mundo é perigosa e corteja a destruição. Assim sendo, como você se posiciona com relação a este mundo? As pessoas, ao seu redor, o reconhecem como um verdadeiro cristão?

No amor de Cristo Jesus,

Pr. Natanael Gonçalves