Cobiçais e nada tendes; matais, e invejais, e nada podeis obter; viveis a lutar e a fazer guerras. Nada tendes, porque não pedis (Tiago 4:2).

No texto de hoje, vemos o autor tocar num ponto que visa sacudir os judeus convertidos e dispersos (Tiago 1:1), ou seja, a causa da insatisfação existente entre eles. Para Tiago, um estado de frustração se torna evidente na vida daqueles que não vivem sob a direção do Espírito de Deus, mas segundo os seus desejos carnais. A primeira causa de frustração se expressa com “cobiçais e nada tendes”. O verbo usado para cobiçar carrega o sentido de um intenso desejo, o qual provoca uma verdadeira paixão por alcançar algo que o indivíduo anela ardentemente.  A pessoa que cobiça, deseja aquilo que não possui e que não lhe pertence, portanto, a conclusão é óbvia:  a cobiça é uma forma insana de inveja. Assim sendo, a frustração aparece porque, apesar da cobiça, o sujeito não alcança o que é cobiçado.

A segunda causa de frustração reside na palavra “matais”. Em que fundamento se deve entender esta ação? Explico: o verbo utilizado possui o sentido de cometer homicídio, o qual deve ser compreendido não de forma literal, mas figurada. O desejo de ter o que o outro possui, seja no contexto de bens materiais, ou no que é mais provável, no caso da igreja, dos dons ministeriais, quando alguém cobiçava ser mestre sem ter recebido o dom. Observe que esta condição, produzida pela cobiça e inveja, conduzia a pessoa a odiar ou aborrecer seu irmão. Isto, conforme a Escritura, é um desejo homicida: Qualquer que aborrece a seu irmão é homicida (1 João 3:15a). Neste caso, a frustração se produz porque o desejo ímpio contra o irmão não se cumpre e a situação frustrante, segue como antes.

Conforme destaquei acima, os desejos carnais, contrários àqueles que vivem debaixo da direção e orientação do Espírito Santo, conduzem a sentimentos e a atitudes condenáveis pela Palavra de Deus. Note os verbos: cobiçais, matais, invejais, viveis a lutar, e a fazer guerras. Estas condutas geravam outro contexto; qual? Na luta febril por obter o que desejavam, se distanciavam tanto de Deus que não tinham tempo para a oração, e assim, Tiago destaca: “Nada tendes, porque não pedis”. Como vimos, a condição é progressiva e uma coisa leva à outra, já que a pessoa que se abre aos verbos referenciados pelo autor, desenvolveu desejos egoístas e, por consequência, não pode ser feliz. Portanto, mais frustração é acrescentada.

Para finalizar, por que muitos cristãos dos nossos dias se sentem infelizes ou frustrados? Preste atenção: se andamos em intimidade com Deus, não significa que não seremos instigados a pensar ou sentir coisas que desagradam ao Pai. Observe que Tiago mostra uma reação em cadeia: inicia-se com a cobiça não satisfeita que consome a alma e desperta paixões contra o que o outro possui. Sendo assim, a frustração e a infelicidade são os resultados produzidos por tal condição que a pessoa assumiu. O que fazer se esses sentimentos atacam a todos? Não estamos imunes, mas temos a vitória garantida pela obra da cruz. Quando os pensamentos ou sentimentos chegam, aborte-os imediatamente. Não dê abrigo a eles! Pratique Filipenses 4:8 como um estilo de vida, e, ademais, permaneça na dependência do Espírito de Deus. A despeito de tudo, saiba: você possui todos os recursos que Deus disponibilizou, por intermédio de Cristo Jesus, para ser vitorioso. Reflita sobre isso! Glória a Deus!

No amor do Pai,

Pr. Natanael Gonçalves