Sujeitai-vos, pois, a Deus; resisti ao diabo, e ele fugirá de vós (Tiago 4:7).

No versículo de hoje, Tiago começa com a sujeição a Deus. A ideia do texto subtende uma ação que deve ser realizada de uma vez por todas. Não obstante, ainda que o autor estabeleça um imperativo, a submissão a Deus é sempre voluntária, haja vista que o Altíssimo não deseja uma obediência forçada, mas uma entrega espontânea a Ele. Em Cristo, vemos essa condição sempre presente. Observe como Ele orou em tempo de agonia: Pai, se queres, passa de mim este cálice; todavia, não se faça a minha vontade, mas a tua (Lucas 22:42). Essa dimensão de submissão, produziu um grande clamor e lágrimas na experiência do Getsêmani (Hebreus 5.7). Portanto, Jesus é o nosso exemplo de submissão e obediência ao Pai.

Juntamente com o imperativo de sujeição a Deus, está a resistência ao diabo. Note que Tiago não está ordenando que o cristão ataque ou lute com o diabo, senão que o resista, ou seja, que o crente em Cristo se mantenha numa posição de vitória, mas de modo algum deve sair ao ataque, buscando o inimigo. Este ensino é semelhante ao do apóstolo Pedro que afirmou: ao qual resisti firmes na fé, sabendo que as mesmas aflições se cumprem entre os vossos irmãos no mundo (1 Pedro 5:9). É bom lembrar que Jesus, na cruz do Calvário, impôs completa derrota a Satanás (Colossenses 2:15). Por outro lado, é preciso saber que o diabo, com as suas artimanhas, usa alguns elementos para atacar o cristão, como por exemplo; uma ação direta contra a doutrina: Mas o Espírito expressamente diz que, nos últimos tempos, apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios (1 Timóteo 4:1). Outro exemplo, sempre com a permissão divina, pode ser a ocorrência de provas, dificuldades e enfermidades, com as quais o diabo procura minar a fé do cristão e leva-lo a maldizer a Deus. Vamos entender de forma mais clara: maldizer a Deus pode ser algo tão simples como dizer, em meio a uma prova, que Deus se esqueceu de mim. O inimigo anda ao derredor do filho de Deus procurando roubar a sua fé, porque a vitória que vence o mundo é a fé que descansa em Cristo (1 João 5:4).  O diabo pode usar distintas ações contra o cristão e elas variam de acordo com o seu caráter maligno. A Bíblia ensina que ele procura fazer o mal, tanto na esfera espiritual como também na física. O cristão não deve esquecer-se que Satanás pode causar verdadeiros conflitos incluindo enfermidades, como foi no caso de Jó. Outrossim, o crente em Cristo deve estar consciente de que Deus está no controle de todas as coisas e que o inimigo só pode fazer algo com a permissão do nosso Pai Celestial. Quando isso ocorre, não é porque o Senhor não se importa conosco, senão que Ele tem como propósito nos abençoar, ainda que seja difícil o entendimento. A tentação é outra arma do arsenal maligno que ele usa contra o cristão, e, por este motivo, ele é chamado de tentador (1 Tessalonicenses 3:5).

Para finalizar e refletir, pense: diante de um quadro como esse, Tiago, inspirado pelo Espírito Santo, determina uma ação que todo cristão deve ter, isto é: sujeição total a Deus e resistência ao diabo. Você se submete completamente ao Senhor? Emprega contínua resistência a Satanás? Continuamos na próxima publicação…

Em Cristo Jesus,

Pr. Natanael Gonçalves