Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós. Limpai as mãos, pecadores; e, vós de duplo ânimo, purificai o coração (Tiago 4:8).

O imperativo acima relembra os ensinos do Antigo Testamento, conforme podemos ver em Zacarias 1.3: Portanto, dize-lhes: …Tornai para mim, diz o SENHOR dos Exércitos, e eu tornarei para vós, diz o SENHOR dos Exércitos. Da mesma forma exorta Malaquias: …tornai-vos para mim, e eu me tornarei para vós outros, diz o SENHOR dos Exércitos… (Malaquias 3:7b). Observe que não se trata de um chamado a incrédulos, mas a cristãos que, de alguma maneira, se distanciaram do Pai. Antes da conversão, é Deus quem se acerca do homem, pois de outro modo o homem nunca se chegaria a Deus. Essa condição está explícita em Lucas 19.10: Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar o que se havia perdido. O cristão que se distancia de Deus deve retornar ao Senhor para recuperar o caminho das bênçãos e o gozo de uma comunhão plena. Ele pode voltar e entrar na presença do Pai, porque tem livre acesso a ela (Romanos 5:2). O trono de Deus é um trono de graça e de misericórdia e o escritor aos Hebreus nos deixa saber: Cheguemos, pois, com confiança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno (Hebreus 4:16). Quando o crente em Cristo se volta para Deus, imediatamente o Senhor Se volta para ele.

Aqueles irmãos a quem Tiago dirigiu a sua carta, eram majoritariamente judeus e a admoestação do autor, relembra a mesma coisa que acontecia com Israel ao longo da sua história. Apesar da graça e do amor de Deus demonstrado para com eles, haviam sido rebeldes e se afastaram d’Ele. Agora, além da condição de judeus de origem, são cristãos que se incorporaram ao corpo de Cristo que é a igreja. Não obstante, observe que, em certa medida, tinham duas responsabilidades diante dessa situação. Você pode perguntar: quais? Primeiro, por pertencer a um povo a quem Deus havia dado as Suas promessas e manifestado a Sua fidelidade. Segundo, porque agora pertenciam a um corpo de salvos pela graça. Essa é a grande responsabilidade de muitos dos destinatários da Epístola, haja vista que sobre eles pesava a exortação de retornarem novamente a Deus, se quisessem desfrutar das Suas bênçãos e restaurar a comunhão que evitaria a frustração em que se encontravam, a qual causou o extravio espiritual.

Por fim, não importa o quão distante estavam de Deus. Hoje, da mesma forma, quem se afastou do Pai, saiba que os braços da misericórdia, como no caso do filho pródigo, estão sempre abertos para um abraço de comunhão, amor e amizade (Lucas 15:18-20).

Momento de Reflexão: Às vezes, alguém se distancia tanto de Deus, sem jamais sair do lugar. Pode frequentar uma igreja e ainda assim estar afastado do Altíssimo. Cristianismo não é uma religião, mas relacionamento com Cristo. Se o seu coração não pega fogo e não há paixão por Jesus, é hora de um exame, pois essa condição pode ser um sintoma de distância de Deus. Tenha em mente o convite do Espírito Santo por meio de Tiago: Chegue-se a Deus e Ele Se chegará a ti. Pense a respeito! Continuamos na próxima publicação.

No amor de Cristo Jesus,

Pr. Natanael Gonçalves